CidadesCuriosidadesMenu PrincipalSaúde
Trending

#Brasil: Governo deve acionar Justiça para apreender máscara em fábrica para proteção de funcionários contra coronavírus

Ministério da Saúde fala também em impedir exportação; "Vamos usar todas as medidas que a legislação nos permite", disse secretário executivo do Ministério da Saúde.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo Reis, disse nesta quinta-feira (27), que “preocupam muito” os problemas para obtenção de equipamentos de proteção individual (EPIs) contra o novo coronavírus, em especial dos aventais e máscaras, para funcionários da rede pública de saúde. Gabbardo disse que o governo pode acionar a Justiça para garantir o fornecimento de máscaras, inclusive aplicando multas e fazendo busca e apreensão dos produtos em empresas.

O secretário disse que retirar as empresas de cadastro de fornecedores também é uma hipótese. Questionado se a medida não iria ferir a livre iniciativa, o secretário afirmou que a situação é prevista na legislação e que o novo coronavírus é uma emergência nacional de saúde pública. Segundo o secretário, os Estados têm estoques de máscaras de proteção, pois o equipamento é corriqueiramente usado em serviços de saúde, mas que o governo precisa se antecipar para eventual surto da doença.

Gabbardo afirmou que a busca do governo é por 20 milhões de máscaras. O secretário afirma que terá reunião na sexta-feira (28), com a Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO) para tratar do assunto. Segundo Gabbardo, dos 21 itens de EPIs licitados, 16 estão em uma negociação “confortável”. “Algumas empresas que participaram da licitação”, disse o secretário, “se mostraram desinteressados em vender para o Ministério da Saúde”.

O secretário disse que retirar as empresas de cadastro de fornecedores também é uma hipótese | FOTO: Reprodução/PFarma |

“O que a gente sabe é que os produtores de máscaras, que é o item que mais nos preocupa, venderam – e exportaram – os produtos que eles tinham para outros países, provavelmente a China, e muitos deles venderam não só os produto.s mas venderam a sua produção, ou seja, aquilo que eles podem produzir nos próximos 30 ou 60 dias”, afirmou o secretário. “Isso é uma coisa que nos preocupa muito”, disse.

“Vamos usar todas as medidas que a legislação nos permite”, ressaltou. “Se for necessário, nós vamos impedir a exportação desses produtos, e, se for necessário, nós vamos solicitar à Justiça a apreensão desses produtos na própria fábrica”, alertou o secretário. “Além disso, nosso jurídico está analisando todas as penalidades que são passíveis de quem entra em uma licitação pública”, afirmou Gabbardo que elencou a chance de multas e a proibição de participar em “qualquer processo licitatório no Brasil inteiro”. As informações são do Estadão Conteúdo.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas