CidadesCuriosidadesMenu PrincipalPolítica
Trending

#Exclusivo: Ocupantes de cargos com acesso a informações privilegiadas passam por ‘quarentena’ e têm direito a salário por seis meses

Toda autoridade exonerada que se enquadrar neste perfil e tiver a intenção de desempenhar atividade na iniciativa privada, deve consultar a Comissão de Ética Pública e verificar se há ou não conflito de interesse.

Para evitar que ocupantes de cargos dos mais elevados escalões da esfera federal utilizem informações privilegiadas para benefício de interesse privados, a lei proíbe que estes atuem em determinadas atividades privadas por um período de seis meses, contados a partir da exoneração. Esse período é chamado de ‘quarentena’.

Essa regra serve para os ministros de Estado que foram demitidos recentemente, como o da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

“Pedi a quarentena para ter um sustento durante algum tempo e me reposicionar, provavelmente no setor privado”, diz Moro em entrevista para a revista Veja (leia mais aqui).

Com o impedimento temporário do exercício de atividades na iniciativa privada, a lei oferece uma remuneração compensatória durante os seis meses no mesmo valor da que recebia exercendo sua atividade pública como contrapartida.

De acordo com o disposto na Lei n.º 12.813, de 2013, os cargos de ministro de Estado, de natureza especial ou equivalentes, de presidente, vice-presidente e diretor, ou equivalentes, de autarquias, fundações públicas, empresas públicas ou sociedades de economia mista, e do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores – DAS, níveis 6 e 5 ou equivalentes, estão sujeitos à aplicação da regra.

Toda autoridade exonerada que se enquadrar num desses perfis e tiver a intenção de desempenhar atividade na iniciativa privada, de consultar a Comissão de Ética Pública (CEP) e verificar se há ou não conflito de interesse.

Jornal da Chapada

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios