Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal
Trending

#Brasil: Morre primeiro deputado condenado pelo STF na ‘Lava Jato’ aos 77 anos em decorrência da covid-19

Nelson Meurer estava internado em um hospital particular de Francisco Beltrão, no Paraná; ele era diabético, hipertenso e tinha problema renal crônico.

Primeiro parlamentar condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito da Operação Lava Jato, o ex-deputado Nelson Meurer (PP-PR) morreu na manhã deste domingo (12), aos 77 anos, em decorrência da covid-19. Meurer estava preso desde outubro de 2019 na Penitenciária de Francisco Beltrão, no Paraná, onde cumpria pena de 13 anos e nove meses.

Ele foi condenado pelo Supremo em maio de 2018, quando ainda exercia mandato na Câmara, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Meurer estava internado desde terça-feira (7) em um hospital particular de Francisco Beltrão. O ex-deputado era diabético, hipertenso e tinha problema renal crônico.

De acordo com denúncia da Procuradoria-Geral da República avalizada pelo Supremo, ele recebeu R$ 29,7 milhões em 99 repasses mensais de R$ 300 mil, operacionalizados pelo doleiro Alberto Youssef. O filho dele, Nelson Meurer Jr., também foi condenado por corrupção passiva no mesmo caso.

O advogado Michel Saliba, que defendia Meurer, lamentou a decisão do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, de rejeitar três pedidos apresentados por ele para que o ex-deputado cumprisse pena em regime domiciliar. Saliba apresentou um quarto pedido nesta semana, que ficou a cargo do presidente da corte, Dias Toffoli, que responde pelo tribunal durante o recesso do Judiciário.

“Ele [Meurer] contraiu [covid-19] enquanto preso. Desde novembro de 2019 o STF rejeitou reiteradamente pedidos para que ele fosse para prisão domiciliar. Era um homem de 78 anos com quatro comorbidades gravíssimas”, disse Saliba ao Congresso em Foco.

Companheiro de partido e estado de Nelson Meurer, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) manifestou pesar pela morte do ex-colega e criticou o que chamou de “ativismo” no Supremo. As informações são do Congresso em Foco.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios