Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesMenu PrincipalPolícia

Operação da PF investiga desvio de verbas do Ministério da Cultura na Bahia

foto5
Operação da Polícia Federal cumpriu mandados de busca no centro de Salvador | FOTO: Juliana Almirante/G1 |

Uma operação deflagrada pela Polícia Federal, nesta sexta-feira (18), apura irregularidades em convênios entre duas associações [uma da Bahia e outra do DF] e o Ministério da Cultura. Segundo a investigação, foram desviados cerca de R$ 690 mil. Os contratos eram de 2005 a 2007. A Polícia Federal tomou conhecimento através de auditoria do próprio Ministério em 2011. Foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão nesta sexta-feira, sendo oito em Salvador e um no Distrito Federal. Ninguém foi preso. A polícia apura o envolvimento de 11 pessoas no esquema.

De acordo com a PF, a fraude envolve a Fundação Cultural Palmares, com sede em Brasília, e a Associação Cultural Os Negões, em Salvador. A contabilidade da Associação fica no Edifício Themis, no centro da capital baiana, onde foram vistas várias viaturas da PF pela manhã, durante o cumprimento dos mandados. A delegada Luciana Matutino Cayres comandou a operação, que recebeu nome de “Menelick”. Segundo a polícia, o contador da Associação Cultural Os Negões forjava documentos para praticar as fraudes. Nesta sexta, foram apreendidos documentos e computadores da entidade. Os convênios eram relativos à valorização do patrimônio cultural negro.

O Portal G1 entrou em contato por telefone com Paulo Roberto Nascimento, presidente da Associação Cultural Os Negões. O dirigente informou que não tinha condições de conversar no momento, mas ficou de informar o posicionamento da entidade sobre o assunto ainda nesta sexta-feira. Ainda de acordo com as investigações da PF, as entidades contratavam empresas para executar serviços, e fraudes eram aplicadas sobre os valores firmados. Em alguns casos, de acordo com as apurações, os contratos eram feitos com empresas fantasmas.

“Uma das contratações foi a produção de um vídeo que tinha contrato com o Ministério [da Cultura] de R$ 150 mil, mas apuramos que foi produzido ao custo de 10 mil”, relatou a delegada em entrevista coletiva. Os nomes das empresas e das pessoas investigadas não foram divulgados pela polícia. Os crimes investigados pela Polícia Federal são de fraude em licitação, peculato, falsificação de documentos e formação de quadrilha. Somadas, as penas podem chegar a 19 anos de prisão. As informações são do Portal G1.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios