CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal

Eliana Calmon diz que ‘é impossível fazer política sem corrupção’

eliana
Eliana Calmon é ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça | FOTO: Reprodução |

A ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Eliana Calmon, disse nesta terça-feira (18), que não se surpreendeu com os nomes citados nas delações dos executivos da Odebrecht, presos na Operação Lava Jato. Em entrevista à Rádio Metrópole, Calmon comentou o depoimento que deu ao jornal Folha de S. Paulo, onde falou que a Lava Jato também irá afetar o Poder Judiciário.

“A empresa Odebrecht passou mais de 30 anos fazendo esses absurdos todos que estão aí, será que nada disso passou pelo Judiciário? O Judiciário teve uma participação muito forte em tudo isso que está acontecendo. Conforme a Constituição de 1988 não se pode fazer nada sem a deliberação do poder judiciário. Os “Sérgios Moros” da vida surgem de mentirinha. Tudo passou pelo Judiciário, então, muita coisa virá a tona dessa conivência de mais um poder que se alia a esse lixo que está exposto. As empresas foram sendo comparadas pela Odebrecht, quem fazia oposição foi sendo quebrada e isso foi passando pelo judiciário de uma forma incólume, sem ninguém ter visto”, disse.

Eliana Calmon destacou, ainda, que depois que foi candidata ao Senado viu ‘o amago da política e vi que pelas regras do jogo é impossível fazer política sem haver corrupção, as campanhas são milionárias e o mercado está viciado, todo mundo quer dinheiro e muito dinheiro.

“É natural saber que o político não vai fazer doação de campanha em vão. Depois que eu estava em campanha eu fui descobrindo que existe o caixa 2 e faz com que os políticos apliquem na campanha e parte em sua conta pessoal. Tanto que quase todo político é rico. Aliás, uma coisa que eu falei, eu era a candidata mais rica para senado, meu patrimônio era maior que os companheiros que disputaram comigo, que são políticos há muito tempo. De onde vem esse dinheiro? Vem do caixa 2 das empresas. Como é que pode 300 milhões numa campanha para a presidente Dilma? Será possível que essa quantia seja retirada de empresas assim, de uma hora para outra? Isso tinha conivência das autoridades”, completou Eliana. Extraído do site Política Livre.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios