Objeto encontrado em Camaçari não tem relação com meteoro que provocou clarão na Bahia

Postado em fev 23 2018 - 1:38pm por Jornal da Chapada
foto

A peça foi analisada por pesquisadores do Museu Geológico da Bahia e descartaram que o objeto possa ser um meteorito | FOTO: Reprodução/Juliana Almirante/G1 |

Membros da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon) confirmaram, em nota divulgada na última quinta-feira (22), que o clarão no céu da Bahia foi provocado por um meteoro. De acordo com a instituição, o meteoro é um fenômeno luminoso provocado pela passagem de um fragmento de rocha espacial pela atmosfera da Terra. No caso da Bahia, conforme a Bramon, o fragmento explodiu pouco tempo após passar pela atmosfera, no Oceano Atlântico, a cerca de 83 quilômetros da praia de Guarajuba, na cidade de Camaçari, região metropolitana de Salvador.

A situação ocorreu na noite da terça (20) e assustou a população das cidades em que deu para ver o clarão. Após o fenômeno, um morador do distrito de Monte Gordo, em Camaçari, encontrou, em uma área de vegetação, um objeto que levantou a suspeita de especialistas de ser o causador do clarão. A estrutura tem cerca de 2,9 kg e 15 cm de comprimento. Nesta quinta-feira, a peça foi analisada por pesquisadores do Museu Geológico da Bahia.

Leia também
#Polêmica: Clarão visto em cidades baianas foi causado por meteoro, dizem especialistas
#Mistério: Objeto que teria caído após o clarão no céu da Bahia é encontrado; site publica relatos
#Bahia: Relatos de moradores de Salvador e região do litoral citam ‘clarão’ no céu; veja vídeo

Confira imagens

Este slideshow necessita de JavaScript.

Após a análise, os especialistas comprovaram que o objeto é composto por ferro, manganês e silício, o níquel característico nas rochas de meteoros, não foi encontrado durante as análises. Eles descartaram que o objeto possa ser um meteorito – que é quando o fragmento que provoca o meteoro alcança a superfície da Terra. Os pesquisadores estudam agora se a estrutura pode ser lixo espacial.

No entanto, no comunicado divulgado nesta quinta-feira, a Bramon descartou que o objeto seja lixo espacial. Segundo a instituição, quando lixos espaciais caem na atmosfera, a queda ocorre em ângulos muito rasos, então, o objeto vai sendo consumido lentamente. Além disso, conforme a Bramon, materiais pesados como o ferro, que parece constituir o artefato, são evitados na construção de foguetes e satélites.

Por fim, ainda no comunicado, a Rede de Monitoramento negou que o meteoro ocorrido na Bahia tenha sido provocado pela queda de partes de um foguete russo, como havia suspeitado anteriormente. De acordo com a entidade, os fragmentos do foguete reentraram na atmosfera na sexta-feira (16), sobre o Canadá, 20 minutos antes de passar pelo Brasil e quatro dias antes do clarão na Bahia. Jornal da Chapada com informações do G1BA.

Vídeos do suposto clarão circulam na internet

O site Metro1 teve acesso a uma filmagem da Baía de Todos Os Santos que mostra um rápido clarão às 22h28 da noite.

Mais um vídeo de circuito interno divulgado

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.