CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal
Trending

#Polêmica: Gilmar Mendes responde revelações de Janot: “Achei que só estivesse exposto a petições mal redigidas”

O ministro do STF abre a nota distribuída à imprensa afirmando que lamenta que o Brasil tenha tido um procurador-geral da República com "impulsos homicidas".

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes rompeu o silêncio e decidiu responder com ironia às revelações do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot sobre seu plano de matá-lo e depois se suicidar em 2017. “Confesso que estou algo surpreso. Sempre acreditei que, na relação profissional com tão notória figura, estava exposto, no máximo, a petições mal redigidas, em que a pobreza da língua concorria com a indigência da fundamentação técnica”, escreveu o ministro.

Ele abre a nota distribuída à imprensa nesta sexta-feira (27) afirmando que lamenta que o Brasil tenha tido um procurador-geral da República com “impulsos homicidas”. Janot comandou o Ministério Público de setembro de 2013 a setembro de 2017. “Dadas as palavras de um ex-procurador-geral da República, nada mais me resta além de lamentar o fato de que, por um bom tempo, uma parte do devido processo legal no país ficou refém de quem confessa ter impulsos homicidas”, escreveu Gilmar.

Dentro da estratégia de lançamento de um livro sobre seu trabalho à frente PGR entre 2013 e 2017, período em que a Operação Lava Jato nasceu e viveu seu auge, Janot deu entrevista a grandes veículos brasileiros, como a revista Veja e o jornal Estado de S. Paulo, revelando que quase atirou em Gilmar Mendes dentro das dependências do STF.

As falas de Janot foram divulgadas na noite de quinta-feira (26) pela imprensa brasileira. “Num dos momentos de dor aguda, de ira cega, botei uma pistola carregada na cintura e por muito pouco não descarreguei na cabeça de uma autoridade de língua ferina que, em meio àquela algaravia orquestrada pelos investigados, resolvera fazer graça com minha filha”, escreveu Janot em seu livro Nada Menos que Tudo, sem citar Gilmar Mendes nominalmente.

“Não ia ser ameaça, não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele (Gilmar) e depois me suicidar”, disse Janot nas entrevistas, gerando comoção nas redes sociais e nos bastidores do poder em Brasília. Em seu relato a jornalistas, Janot afirmou que planejou o assassinato do ministro e chegou a levar uma arma a uma sessão da Corte. A “mão de Deus”, no entanto, o teria impedido. “Cheguei a entrar no Supremo. Ele estava na sala, na entrada da sala de sessão. Eu vi, olhei, e aí veio uma mão mesmo”, disse o ex-PGR. O ex-procurador disse à Folha de S.Paulo que não entrou no plenário do tribunal armado.

Segundo Janot afirmou ao Estado de S. Paulo, o que o deixou à beira desse ato foi o fato do ministro ter dito que “sua filha – Letícia Ladeira Monteiro de Barros – advogava para a empreiteira OAS em processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade)”. A declaração foi feita na defesa de Mendes à presidência do STF em resposta ao pedido de Janot para que o ministro fosse considerado suspeito para julgar um caso envolvendo Eike Batista.

Nesta sexta, Gilmar Mendes questionou a conduta de Janot à frente da PGR na nota divulgada a jornalistas. “Se a divergência com um ministro do Supremo o expôs a tais tentações tresloucadas, imagino como conduziu ações penais de pessoas que ministros do Supremo não eram”, disse.

“Agora ele revela que eu corria também risco de morrer”. No texto, Gilmar prossegue afirmando que “o combate à corrupção no Brasil — justo, necessário e urgente — tornou-se refém de fanáticos que nunca esconderam que também tinham um projeto de poder”. “Recomendo que procure ajuda psiquiátrica”, conclui o ministro do Supremo Tribunal Federal.

Leia abaixo a íntegra da nota de Gilmar Mendes
Dadas as palavras de um ex-procurador-geral da República, nada mais me resta além de lamentar o fato de que, por um bom tempo, uma parte do devido processo legal no país ficou refém de quem confessa ter impulsos homicidas, destacando que a eventual intenção suicida, no caso, buscava apenas o livramento da pena que adviria do gesto tresloucado. Até o ato contra si mesmo seria motivado por oportunismo e covardia.

O combate à corrupção no Brasil — justo, necessário e urgente — tornou-se refém de fanáticos que nunca esconderam que também tinham um projeto de poder. Dentro do que é cabível a um ministro do STF, procurei evidenciar tais desvios. E continuarei a fazê-lo em defesa da Constituição e do devido processo legal.

Confesso que estou algo surpreso. Sempre acreditei que, na relação profissional com tão notória figura, estava exposto, no máximo, a petições mal redigidas, em que a pobreza da língua concorria com a indigência da fundamentação técnica. Agora ele revela que eu corria também risco de morrer.

Se a divergência com um ministro do Supremo o expôs a tais tentações tresloucadas, imagino como conduziu ações penais de pessoas que ministros do Supremo não eram. Afinal, certamente não tem medo de assassinar reputações quem confessa a intenção de assassinar um membro da corte constitucional do país. Recomendo que procure ajuda psiquiátrica. Continuaremos a defender a Constituição e o devido processo legal. Acho que nada precisa ser acrescentado”. As informações são da BBC Brasil.

Leia também

#Polêmica: “Ia matar ele”, diz Janot ao revelar que foi armado ao STF para assassinar Gilmar e depois suicidar

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas