CidadesCuriosidadesEconomiaMenu Principal
Trending

#Brasil: Safra de 1,5 milhão de tonelada de algodão confirma Bahia em segundo lugar na produção nacional

Pela projeção, na safra 2027/2028, a Bahia e o Mato Grosso deverão ser responsáveis por 98% da produção brasileira.

A Bahia se consolidou como o segundo maior estado produtor nacional de algodão, com uma safra de 1,5 milhão de tonelada do produto por ano, além de ostentar a condição de produzir a pluma de melhor qualidade no Brasil e a segunda melhor do mundo. Em dez anos, a produção de algodão na região Oeste da Bahia deve crescer 64,5%, de acordo com dados de uma nota técnica da Embrapa sobre os desafios do agronegócio no país.

Pela projeção, na safra 2027/2028, a Bahia e o Mato Grosso deverão ser responsáveis por 98% da produção brasileira. E os esforços que vêm sendo feito nos campos do cerrado baiano são para que este crescimento seja sustentável economicamente, ambientalmente e socialmente. A produtora agrícola Alessandra Zanotto conta que o ingresso no Programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR) trouxe mudanças positivas para o negócio, que vão além do cumprimento mais assertivo da legislação.

“A relação com os investidores, principalmente com os internacionais, é outra”, destaca. O algodão que Alessandra produz tem uma certificação reconhecida internacionalmente, feita por uma auditoria independente. “É um crivo importante, porque mesmo o banco que vai oferecer o financiamento, ou o comprador do produto, não querem se associar a algo de origem duvidosa”, diz.

Além disso, a garantia de qualidade do algodão baiano permite aos produtores se posicionarem de maneira diferente da maioria no setor agrícola. “A gente ouve falar muito em quantidade de produção, em demanda internacional, mas o Brasil precisa se posicionar cada vez mais como um país que oferece produtos de qualidade e não apenas baratos”, defende.

Produção certificada
Hoje, quase 80% da produção baiana já recebeu certificação de qualidade, destaca o presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Julio Busato. “Infelizmente, há muita desinformação e tem gente que vê o produtor como alguém sem compromisso com a sustentabilidade, mas isso é totalmente fora da realidade”, garante. Busato lembra que o agricultor precisa da terra para tirar o seu sustento.

“O solo do cerrado é pobre em sua origem. Quando nós iniciamos a produção no Oeste, a média era de 1% de matéria orgânica, hoje você já encontra uma concentração de 2,5%. Isso não é fruto de uma atividade sem compromisso ambiental”, destaca Busato. Ele explica que o algodão é uma cultura “muito exigente”, que demanda muita tecnologia e cuidados com a lavoura.

Entre as ações dos produtores de algodão para a promoção da sustentabilidade, Busato destaca uma parceria entre a Abapa e a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) para a criação de um centro de desenvolvimento ambiental. Segundo ele, foram investidos R$ 11 bilhões na criação de reservas legais para a atividade, correspondentes a 35% do total de propriedades no Oeste.

“Se tivéssemos plantado milho nessa área, teríamos gerado R$ 6,6 bilhões”, compara. Segundo ele, as ações demonstram o compromisso dos produtores com a sustentabilidade. “O produtor tem a consciência de que precisa produzir de maneira sustentável e que isso será cada vez mais demandado no futuro”, diz.

Na última safra, foram certificadas como sustentável 77,7% da área plantada na Bahia. Junto com a entidade suíça Better Cotton Iniciative (BCI), a Abapa certificou uma área total de 247.840 mil hectares.

Em relação à última safra, houve um acréscimo de 29,4% da área de algodão certificada, abrangendo um total de 66 unidades produtivas que vêm cumprindo os critérios de sustentabilidade. Desde quando foi iniciado este trabalho, em 2011, houve um crescimento gradual de 21,1% da área certificada.

Futuro
Em sua nota técnica, a Embrapa destaca que a cultura tem perspectivas positivas para os próximos anos, principalmente por conta do aumento na renda média e da população na Ásia, mas também por conta do crescimento da bioeconomia, com a tendência mundial de um maior consumo de produtos naturais. Completa o cenário o fato de o Brasil dispor de terra e tecnologia para atender ao aumento do consumo mundial de algodão.

“A qualidade do produto, os avanços nos métodos para controle de pragas e doenças tropicais, a obtenção de variedades mais produtivas, o desenvolvimento de sistemas eficientes de produção e a destacada organização da cadeia produtiva dos produtores brasileiros de algodão são fatores decisivos para a conquista dos mercados nacional e internacional”, diz a nota. Jornal da Chapada com informações de Correio 24h.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas