Sigilo bancário limita depoimento de gerente da Caixa sobre Luiz Argôlo

Postado em ago 20 2014 - 3:12pm por Jornal da Chapada
lúcio bernardo jr

O deputado Luiz Argôlo é acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, de combate à lavagem de dinheiro | FOTO: Lúcio Bernardo Jr. |

Convidado pela defesa do deputado Luiz Argôlo (SDD-BA), que está sendo investigado pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, o gerente da agência da Caixa Econômica no Anexo 4 da Casa, Douglas Alberto Bento, alegou nesta quarta-feira (20) que o sigilo bancário o impedia de dar qualquer esclarecimento sobre as contas do parlamentar ou de seu chefe de gabinete, Vanilton Bezerra. O deputado é acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, de combate à lavagem de dinheiro. “Não tenha nada a acrescentar. Não tenho nada que possa declarar aqui”, antecipou Bento nos primeiro minutos da reunião. “Não posso dar qualquer esclarecimentos sobre a conta de qualquer cliente. Trata-se de sigilo bancário”, afirmou o gerente ante a insistência de parlamentares e do advogado de defesa de Argôlo.

Gerente da agência há dois anos, Bento confirmou que é o responsável pela conta de Argôlo e Bezerra desde que assumiu o cargo e afirmou que não tem relação pessoal com o parlamentar ou com seu assessor. Douglas Bento reiterou, por mais de uma vez, que conhece Argôlo apenas como cliente e explicou que só poderia dar o tipo de detalhamento pedido pelo Conselho de Ética por decisão judicial. O convite feito pela defesa para que o gerente da Caixa depusesse no conselho foi criticado pelos parlamentares, que o consideraram uma “estratégia protelatória” do processo. “Não tinha condições de ser chamado como testemunha porque nenhum funcionário de banco pode quebrar o sigilo de ninguém”, afirmou Izalci (PSDB-DF).

O depoimento ocorreu enquanto o colegiado esperava quórum de 11 parlamentares para votar o parecer elaborado pelo deputado Júlio Delgado (PSB-MG) pela admissibilidade do processo de cassação do mandato do deputado André Vargas (ex-PT-PR). Há denúncias de que Vargas intermediou negociações de um contrato entre um laboratório e o Ministério da Saúde para fornecimento de remédios. A empresa, chamada Labogen, seria um laboratório de fachada de Youssef. Da Agência Brasil.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.