Luiz Argôlo recebeu pagamentos ilícitos de doleiro, diz PF

Postado em abr 1 2015 - 8:20am por Jornal da Chapada
argolo

O ex-deputado federal Luiz Argôlo (SDD-BA) | FOTO: Reprodução |

A Polícia Federal concluiu o relatório sobre o monitoramento das conversas do deputado federal Luiz Argôlo (SDD-BA) com o doleiro Alberto Youssef, suspeito de chefiar uma quadrilha de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões, segundo investigações da Operação Lava Jato. Foram analisadas 1.411 mensagens de celular entre os dois, de setembro do ano passado a março deste ano. Segundo a PF, a linha usada pertence à Câmara dos Deputados. No relatório, a que a TV Globo teve acesso, a PF conclui: “os indícios apontam que o deputado tratava-se de um cliente dos serviços prestados por Youssef, por vezes repassando dinheiro de origem aparentemente ilícita, intermediando contatos em empresas, recebendo pagamentos, inclusive tendo suas atividades operacionais financiadas pelo doleiro”.

À TV Globo, a assessoria do deputado afirmou que ele não tem nenhum envolvimento com o objeto da investigação, que é a relação da Petrobras com empresas fornecedoras. Acrescentou que o deputado não recebeu dinheiro de empresas ligadas a Youssef ou de prestadoras de serviço da estatal e que isso pode ser comprovado na prestação de contas do deputado ao Tribunal Superior Eleitoral.

O advogado de Alberto Youssef, Antônio Figueiredo Bastos, afirmou que todas as doações foram absolutamente regulares e que não houve nenhum repasse ilícito. No documento, a Polícia Federal relata conversas entre o deputado Luiz Argôlo e o doleiro sobre construtoras e licitações. Além disso, os investigadores destacam conversas por mensagem de celular em que o deputado e o doleiro combinam a entrega de dinheiro no apartamento funcional da Câmara, ocupado por Argôlo desde novembro de 2011.

A proximidade entre o deputado e o doleiro era tanta que os dois tinham uma linha de telefone exclusiva, segundo os investigadores. Por meio dela, o deputado chegou a consultar o doleiro sobre os rumos do próprio mandato na Câmara: Luiz Argolo pergunta: “vc acha q devo pegar a vice lide ou a comissão do orçamento?? ou nada??”. O doleiro responde: “pega a vice liderança”.

O documento diz ainda que há indícios de que o deputado usou cota parlamentar para pagar viagens para se reunir com Youssef. As relações entre os dois iam além da Câmara. As investigações demonstram que eles tentaram atuar na Petrobras mesmo depois da saída do ex-diretor Paulo Roberto Costa, que foi preso na operação Lava Jato.

Segundo a PF, existem indícios de que Luiz Argôlo agendou uma reunião entre Youssef e José Carlos Consenza, diretor de abastecimento da Petrobras, que substituiu Paulo Roberto Costa, “possivelmente para tratar de algum assunto relacionado às operações de Youssef junto à empresa”. Outra novidade do relatório é a participação de um cunhado de Enivaldo Quadrado, que operava para o doleiro. Enivaldo foi condenado no julgamento do mensalão e chegou a ser preso na operação Lava Jato.

“As investigações apontam que Rafael Ângulo Lopez, irmão da esposa de Enivaldo Quadrado, funcionário da GDF Investimentos, empresa de Youssef, é encarregado de transportar grandes quantias de valores em espécie”, diz o documento. O relatório ainda será enviado ao Supremo Tribunal Federal porque o deputado tem foro privilegiado. O STF irá decidir se abre investigação contra ele. Já na Câmara, a apuração sobre o caso levou a instauração hoje, no Conselho de Ética, de processo por quebra de decoro parlamentar. Do site Bocão News.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.