Chapada: MP amplia debates sobre gestão sustentável de resíduos sólidos em Jacobina

Postado em dez 4 2015 - 6:30pm por Jornal da Chapada
foto5

Estudos indicam que cada quilo de medicamentos descartados de maneira equivocada pode contaminar até 450 mil litros de água | FOTO: Divulgação/MP-BA |

O programa ‘Resíduos Sólidos – do Lixão à Gestão Sustentável’, que integra o planejamento estratégico do Ministério Público da Bahia (MP-BA), foi apresentado esta semana (quinta-feira, 3) em evento realizado em Jacobina, na Chapada Norte, no auditório do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifba). Os objetivos e propostas do programa e do evento foram apresentados pelo promotor de Justiça Pablo Almeida a representantes de nove municípios integrantes da Bacia do Rio Salitre: Campo Formoso, Jacobina, Jaguarari, Miguel Calmon, Mirangaba, Ourolândia, Umburanas, Várzea Nova e Morro do Chapéu. Pablo Almeida também relatou a situação atual dos resíduos sólidos nestas localidades.

O evento contou ainda com a apresentação da promotora de Justiça Karinny Peixoto sobre o tema ‘Adequação da destinação e disposição final ambientalmente adequada dos Resíduos sólidos’, além da engenheira sanitarista e ambiental do MP, Cristiane Tosta, que falou sobre a elaboração dos Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.

foto5

O promotor destacou dois dados do trabalho de reciclagem realizado: a economia de recursos naturais correspondente a mais de R$ 55 milhões e a inclusão social | FOTO: Divulgação/MP-BA |

Houve debate sobre os temas ‘Coleta seletiva e inclusão dos catadores’ e ‘Resíduos de saúde e logística reversa’, e apresentação de dados do programa de descarte consciente de medicamentos na região e da reciclagem realizada pela cooperativa ‘Recicla Jacobina’. Em 2014, foram recicladas 545 toneladas de lixo. E, desde julho último, foram recolhidos 87 quilos de medicamentos vencidos em farmácias localizadas em Umburanas, Jacobina, Ourolândia, Caém e Várzea do Poço.

Para Pablo Almeida, são dados expressivos. Segundo ele, estudos indicam que cada quilo de medicamentos descartados de maneira equivocada, “jogados, por exemplo, ilegalmente no vaso sanitário”, pode contaminar até 450 mil litros de água.

Sobre a cooperativa, o promotor destacou dois dados do trabalho de reciclagem realizado: a economia de recursos naturais correspondente a mais de R$ 55 milhões e a inclusão social. Ele registrou o relato do cooperado Misael Carlos que trabalhava em lixões desde os sete anos, chegando a morar em alguns, e que passou a ser “um agente de preservação ambiental”, hoje ganhando mais R$ 1,5 mil por mês. As informações são do MP-BA.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.