Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal

Novo ministro Mendonça Filho é vaiado por servidores do Ministério da Cultura

foto6
Ministro Mendonça Filho tentou acalmar os funcionários garantindo a continuidade das políticas desenvolvidas pela pasta | FOTO: Reprodução/Facebook |

O ministro da Educação e Cultura, Mendonça Filho, foi vaiado nesta sexta (13) em encontro com servidores da Cultura. Em um auditório lotado, servidores criticaram a fusão da pasta com a Educação. “Me explica, por favor, como acaba um ministério sem falar com servidor”, gritavam em coro. Mendonça Filho tentou acalmar os funcionários, garantindo a continuidade das políticas desenvolvidas pela pasta, mas, após cerca de 30 minutos de discurso, depois de ser interrompido várias vezes, parou de falar e disse que iria concluir.

O ministro informou aos servidores que todas as entidades vinculadas à pasta serão mantidas. Ele citou uma a uma. entre elas o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e Agência Nacional do Cinema (Ancine). Mendonça Filho disse ainda que assegurará, por meio da secretária de Cultura, que será criada no ministério a continuidade das políticas conduzidas pela pasta, como as estabelecidas na Lei Rouanet (Lei 8.313/1991). “Cultura sim, golpe, não”, insistiam os servidores. Houve um grupo que gostou das propostas e chegou a aplaudir, mas logo foi silenciado pelas vaias.

Leia também:
Temer extingue os Ministérios da Cultura, Comunicações, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos
Bahia: Secult emite nota sobre a mudança no MinC e chama fusão de retrocesso

O ministro reuniu-se mais cedo com os servidores do Ministério da Educação. A conversa durou cerca de uma hora e foi mais tranquila que na Cultura. Ele estava acompanhado de familiares e de Maria Helena Guimarães de Castro, escolhida como secretária executiva. Maria Helena foi secretária de Educação do estado de São Paulo e presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Filho falou de valorização dos funcionários da pasta e disse que a gestão terá “padrão Maria Helena”.

Respeitada pelos funcionários do MEC, a menção a ela foi acompanhada de aplausos. No fim do discurso, houve uma manifestação isolada: “golpista”. No MEC, Filho foi recebido pelo atual secretário executivo, Luiz Cláudio Costa. Na última reunião com funcionários, o ex-ministro Aloizio Mercadante disse que a gestão estaria à disposição para orientá-lo em relação ao que está sendo desenvolvido, de modo que os projetos não sejam interrompidos e prejudique os estudantes.

História do MEC
O MEC surgem 1930, no governo de Getúlio Vargas, quando foi criado o Ministério dos Negócios da Educação e Saúde Pública. Na época, a pasta era vinculada à Saúde. Em 1953, no segundo período de Vargas, a Saúde ganhou autonomia e surgiu o Ministério da Educação e Cultura, retomado agora pelo presidente interino Michel Temer. Em 1985, com José Sarney, foi criado o Ministério da Cultura. Em 1992, lei federal transformou o MEC no Ministério da Educação e do Desporto. Somente em 1995, a instituição passou a ser responsável apenas pela área da educação. Da Agência Brasil.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios