PF pediu a prisão de Wagner, Dauster e Daltro, mas TRF negou; ex-governador teria recebido R$ 82 mi

Postado em fev 26 2018 - 11:34am por Jornal da Chapada
capa

O ex-governador Jaques Wagner teria sido beneficiário de R$ 82 milhões no esquema envolvendo a parceria público-privada com a Fonte Nova Participações | FOTO: Montagem do JC/Bahia.BA |

A Polícia Federal confirmou nesta segunda-feira (26) que requereu a prisão do ex-governador Jaques Wagner, do secretário da Casa Civil, Bruno Dauster, e do empresário Carlos Daltro. O pedido, no entanto, foi negado pelo Tribunal Regional Federal da 1º Região (TRF-1). “Nós entendíamos que era necessária a condução. Não havendo a possibilidade de condução, foi pedida a prisão temporária, que foi negada pelo Tribunal Regional Federal”, afirmou um dos delegados responsáveis pela Operação Cartão Vermelho, durante coletiva de imprensa.

Os três foram indiciados pela PF no âmbito da Operação Cartão Vermelho, que investiga o superfaturamento na parceria público-privada (PPP) com a Fonte Nova Participações (FNP), deflagrada nesta segunda e que teve como alvos de mandados de busca e apreensão o ex-governador, o secretário da Casa Civil e o empresário. O ex-governador Jaques Wagner teria sido beneficiário de R$ 82 milhões no esquema envolvendo a parceria público-privada (PPP) com a Fonte Nova Participações. A informação foi divulgada pela chefe da Delegacia de Repressão a Corrupção, Luciana Matutino, no âmbito da Operação Cartão Vermelho.

De acordo com Matutino, os valores foram entregues em espécie, através de um preposto da Odebrecht, Cláudio Melo Filho – um dos executivos que formalizou o acordo de colaboração premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato. Segundo a delegada, o executivo da Odebrecht entregava os valores também a prepostos do ex-governador, no caso o atual secretário da Casa Civil, Bruno Dauster, e o empresário Carlos Daltro. A única exceção teria sido um montante entregue na residência da mãe de Wagner, no Rio de Janeiro. Luciana esclarece ainda que a maioria das doações não foi voluntária.

“Uma [doação] que é mais específica, em que o seu Marcelo Odebrecht colocou como condição que ele só doaria pra campanha eleitoral de 2014 se a questão da Fonte Nova fosse resolvida. A questão da Fonte Nova seria o pagamento de valores para o consórcio OAS Odebrecht”, explica a delegada, acrescentando que o aditivo foi definido em R$ 90 milhões em 2013 e que foi negociado um acordo de pagamento de mais de R$ 10 milhões em 2014, sendo que parte desse montante foi obtido em acordo da Companhia Ambiental e de Recursos Hídricos da Bahia (Cerb).

A investigação apontou que a OAS Odebrecht queria que o valor da obra fosse aumentado, mas para não levantar questionamentos por parte da sociedade civil, o então governador Jaques Wagner decidiu utilizar a dívida que o governo tinha com a Cerb para acertar a negociação. “Dentro desses R$ 360 milhões, que foi negociado de pagamento da dívida, uma boa parte seria pra doação de campanha de 2014 e naquele ano existiu a doação oficial pela Itaipava de R$ R$ 3,5 milhões”, detalha Luciana. Em 2014, o PT se dedicou à campanha para eleição do governador Rui Costa, sucessor de Wagner na Bahia. As informações são do Bahia Notícias.

Leia a íntegra da nota do PT
“Invasão da casa de Wagner é perseguição política

A sociedade brasileira está cada vez mais consciente de que setores do sistema judicial abusam da autoridade para tentar criminalizar o PT.

A invasão da residência do ex-governador Jaques Wagner por agentes da Polícia Federal, na manhã de segunda-feira (26), é mais um episódio da campanha de perseguição contra o Partido dos Trabalhadores e suas principais lideranças.

A sociedade brasileira está cada vez mais consciente de que setores do sistema judicial abusam da autoridade para tentar criminalizar o PT e até os advogados que defendem nossas lideranças e denunciam a politização do Judiciário.

A escalada do arbítrio está diretamente relacionada ao crescimento da pré-candidatura do ex-presidente Lula, nas pesquisas, nas manifestações populares, nas caravanas de Lula pelo Brasil. Quanto mais Lula avança, mais tentam nos atingir com mentiras e operações midiáticas.

Nossa solidariedade ao companheiro Jaques Wagner e sua família.

Por Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores.”

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.