Bolsonaro confirma que Ministério do Trabalho vai acabar; órgão será absorvido por outra pasta

Postado em nov 7 2018 - 2:00pm por Jornal da Chapada

Antevendo o fim da pasta, técnicos do ministério chegaram a procurar a equipe de transição para dizer que a medida é prejudicial a trabalhadores | FOTO: Reprodução/BuzzFeed |

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou, na manhã desta quarta-feira, que o Ministério do Trabalho deverá ser absorvido por uma outra pasta em seu governo. Ele disse ainda que o futuro ministro da Defesa terá “4 estrelas”, em referência à mais alta patente das Forças Armadas, também sem dar mais detalhes. “O Ministério do Trabalho vai ser incorporado a algum ministério”, afirmou, sem dizer qual será a pasta.

A equipe do presidente eleito já vinha defendendo que a pasta fosse unida a outro ministério. A ideia seria transformá-la em uma secretaria ligada à Presidência da República. Os dois fundos geridos pelo ministério, o FGTS e o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), poderiam migrar para um superministério da Economia. Na avaliação de integrantes da equipe de transição, o Ministério do Trabalho perdeu relevância e serviria apenas como cabide de emprego, além de ser foco de corrupção.

Antevendo o fim da pasta, técnicos do ministério chegaram a procurar a equipe de transição para dizer que a medida é prejudicial a trabalhadores. A assessoria de imprensa da pasta chegou a divulgar nota lembrando que o órgão completará 88 anos no próximo dia 26 e que foi criado para equilibrar as relações entre trabalhadores e empregadores. As centrais sindicais fizeram coro às reclamações dos técnicos.

Em nota, a Força Sindical considerou “nefasta” a ideia de extinguir o ministério. Já CUT considerou que a medida “levará a uma nova ofensiva de retirada de direitos e de precarização das relações de trabalho”. Na noite de terça-feira, o ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, futuro ministro da Casa Civil, ironizou a reclamação das centrais. Disse que, se dependesse dos sindicatos, Bolsonaro não teria sido eleito e que o governo vai fazer “o que é melhor para o Brasil”.

Em relação ao Ministério da Defesa, o presidente eleito também não quis dar mais detalhes, além de sugerir que o titular da pasta será um militar. Questionado sobre o senador Magno Malta, que não se reelegeu, Bolsonaro disse que ele pode, sim, se tornar ministro em seu governo. “Ele (Magno Malta) tem condições de ser”, disse Bolsonaro, sem divulgar mais detalhes.

No entanto, o presidente eleito afirmou ainda que não existirá um Ministério da Família, uma das possíveis pastas que, segundo especulações, seria assumida por Malta. Bolsonaro afirmou que o assunto está sendo tratado com Onyx Lorenzoni. As informações foram extraídas do jornal O Globo.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.