Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesEsportesMenu PrincipalTop
Trending

#Bahia: Cachorro que espera dono sair de hospital em Feira de Santana há três anos vira atração do local

Paciente esperado pelo cão 'Boby' morreu em 2017, mas o animal permanece no local até os dias de hoje.

Um cachorrinho, chamado ‘Boby’, vive há quase três anos na porta do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), em Feira de Santana. Ele chegou na unidade após o dono, um homem que vivia em situação de rua, ser atendido na emergência do hospital. Ele morreu. De acordo com os funcionários, ‘Boby’ apareceu no hospital no final de 2017. Assim que a ambulância chegou, o cachorrinho veio atrás. Mesmo sem reencontrar o dono, ele não saiu mais da frente da unidade de saúde e, por isso, virou mascote do local.

“Ele só não gosta de banho, a gente tentou e ele se feriu todo mordendo a corrente para se sair. Nunca mais foi na manutenção ver a gente, depois do banho [risos]”, disse André Lopes, auxiliar de manutenção. Os funcionários contaram que, quando ‘Boby’ não come um alimento que recebe imediatamente, prefere esconder em algum lugar seguro, como se lembrasse dos hábitos do velho amigo.

O comerciante Aldair Ramos trabalha há 16 anos vendendo lanches no hospital e conheceu a história de perto. “‘Boby’ chegou com acompanhante, comoveu muita gente aqui no hospital, ficou quieto na porta da emergência. Ele se acomodou, ficava deitado, voltava, foi um dia, dois dias e até hoje ‘Boby’ está aqui, acho que na esperança do dono aparecer”, contou Aldair.

Durante as obras, ‘Boby’ também não saiu do local, deixando marcas das patas na calçada | FOTO: Reprodução/TV Subaé |

Recentemente, o hospital foi ampliado e a unidade II foi inaugurada. Durante as obras, ‘Boby’ também não saiu do local, deixando marcas das patas na calçada. A auxiliar de enfermagem Marisa Alves contou que nem o governador do estado, Rui Costa, escapou dos olhares do cachorrinho. ‘Boby’ acompanhou a entrega da unidade de saúde e chegou a latir para comitiva.

“Ele ficou aqui na praça de alimentação, o governador veio, olhou toda a praça com o pessoal e ele [‘Boby’] atrás. Eu falei: ‘olha a imponência de ‘Boby’, personalidade importante’. Ele parecendo que era um fiscal da obra, autoridade máxima”, contou Marisa. A espera do cãozinho pelo dono gera dúvidas nos funcionários do hospital, como ter explicações sobre memória afetiva e o comportamento de ‘Boby’ que ainda espera pelo amigo.

“Memorização quando ele entrou no hospital e é normal uma pessoa entrar e sair, por isso ele está esperando até hoje. A fidelidade do dono, era a única pessoa que ele tinha, morador de rua. Devido à fidelidade que tinha, ele está ali até hoje esperando e tem a certeza que o dono vai sair”, explicou Luciano Mutiriba, médico veterinário. As informações são do G1.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios