AssessoriaCidadesCuriosidadesMenu Principal

Vídeo: Incêndio continua na Chapada Diamantina e combate segue nesta sexta

foto5
O fogo segue se alastrando em diferentes áreas da Chapada Diamantina. Nas imagens, cenas das chamas que atingem o Rio Mucugezinho, à margem da BR-242, entre Lençóis e Palmeiras | FOTO: Reprodução/Vídeo/Facebook |

Os mais recentes focos de incêndios na região da Chapada Diamantina seguem sendo combatidos por brigadistas, voluntários, corpo de bombeiros, ICMBio e Inema. Nesta sexta-feira (13), com a temperatura alta, o combate é cada vez mais difícil. O fogo que começou na quinta-feira (12) em área do Rio Mucugezinho, entre os municípios de Lençóis e Palmeiras, segue se alastrando. Em entrevista ao jornal A Tarde, o chefe substituto do Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD), César Gonçalves, disse que “o incêndio é de grande proporção e preocupa bastante”. Há diversos focos espalhados pela região, sendo que dois são combatidos, mas em outros dois locais brigadistas não conseguiram chegar, já que as áreas são de difícil acesso.

Ainda conforme publicação, as chamas avançaram em direção ao Vale do Cercado, que fica próximo do Morro do Pai Inácio, na BR-242, famoso ponto turístico da região. O fogo chegou a se aproximar de casas, mas foi logo controlado. Por conta do incêndio, César Gonçalves não recomenda o acesso a trilha entre Lençóis e o Morro do Pai Inácio. Os outros roteiros turísticos ficam distantes das áreas afetadas pelo fogo. As chamas também atingiram uma outra localidade conhecida como Ponem, onde há diversos brigadistas tentando debelar o fogo. O incêndio chegou a atingir a margem da BR-242, que foi interditada diversas vezes nesta quinta, mas as chamas foram contidas. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a situação está controlada na rodovia e a visibilidade na estrada não está comprometida.

Confira vídeo de Edmar Carvalho do incêndio no Mucugezinho

Vale do Capão
O foco do Morro Branco, no Vale do Capão, também preocupa os brigadistas. Segundo explica César Gonçalves, o fogo continua na região em áreas de turfa (material de origem vegetal, parcialmente decomposto). “Ainda há pequenos focos dentro de vales, em áreas de turfa, onde a terra está pegando fogo. Não há como apagar, vai queimar ao longo dos dias até que chova”, disse ao A Tarde.

Na publicação do jornal baiano, o chefe substituto do PNCD afirmou que a preocupação agora é monitorar para evitar que o foco se espalhe para outros locais. Gonçalves também alerta que os incêndios na Chapada são criminosos. “Só é natural quando tem tempestade com raio, o que não aconteceu”, explicou. Mas depois que o fogo é iniciado por alguém, os ventos fortes, ar seco e clima quente favorecem a propagação das chamas.

Leia também:
Fogo continua afetando a Chapada Diamantina; presidente da Cifa sugere criar comando integrado
Chapada: Confira fotos de um dos maiores incêndios florestais que atingiu Ibicoara
Chapada: Novos focos de incêndios são combatidos nas regiões de Andaraí e Lençóis
Chapada: Incêndio florestal que atingiu a Serra da Águia é controlado em Ibicoara

Confira fotos do incêndio no Mucugezinho:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ação conjunta
Em contato com o Jornal da Chapada, o brigadista Daniel Bastos Marrul aponta para o trabalho em conjunto com as brigadas da Chapada Diamantina. “Estou chamando um coletivo para pensarmos de forma prática, real e efetiva uma estratégia para de fato combatermos os incêndios florestais que afetam a Chapada Diamantina todos os anos”.

A ideia é justamente criar uma proposta para começar a trabalhar para que nos próximos 50 anos ainda exista um meio ambiente em torno da região. Os debates devem ser realizados por meio de uma Audiência Pública, que está em fase de viabilidade envolvendo todos os órgãos. “Já estamos conversando com o Parna Chapada Diamantina ICMBio, com o IBAMA, com a CIPPA, com a Secretaria de Meio Ambiente de Mucugê, e com a Câmara de vereadores local”, completa Marrul.

O brigadista enumerou as brigadas e órgãos que atuam no fogo na região da Chapada Diamantina e pede para que as associações de guias e condutores e todas as brigadas de municípios também busquem apoios para criar planos de combate. “Para quem acha que estamos perdendo a guerra, lembro que no máximo estamos perdendo um batalha, venceremos sim a guerra contra o fogo, mas precisamos, entre outras coisas, de planos estratégicos, ações de médio e longo prazo, compromissos públicos e ações inter-institucionais”.

Combate ao fogo
Além do corpo de bombeiros de Feira de Santana, Vitória da Conquista e Salvador, também ajudaram no combate ao fogo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a brigada federal Prevfogo Rosely Nunes, as brigadas municipais Bicho do Mato, ACVIB e Radical Chapada, além das brigadas voluntárias Barra de Estiva e Fazenda Igarashi. O governo do estado da Bahia colaborou com um helicóptero e dois aviões de combate ao fogo. Jornal da Chapada com informações do A Tarde e do G1.

Leia também:
Chapada: Foco de incêndio atinge área do Vale do Capão; Andaraí também registra casos
Chapada: Combate a grande incêndio em Ibicoara ganha reforço da equipe do Bahia Sem Fogo
Chapada: Presidente da brigada de Andaraí denuncia a ‘indústria do fogo’ na região

Etiquetas
Mostrar mais

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Pular para a barra de ferramentas