CidadesCuriosidadesMenu PrincipalSaúde
Trending

#Bahia: Campanha Novembro Roxo reforça cuidados com bebês prematuros

Hospital Roberto Santos realiza campanha para conscientizar a sociedade sobre os riscos da prematuridade e a necessidade de assistência especializada para o bebê prematuro e sua família.

A internação de bebês na UTI Neonatal do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS) tem como maior causa a prematuridade. Em 2018, 61% casos foram registrados. Em atenção ao Novembro Roxo, mês de sensibilização para a causa, o HGRS iniciou uma campanha nesta segunda-feira (18), com a distribuição de material informativo e exposição de equipamentos da UTI Neonatal na entrada da unidade.

Segundo o diretor-geral do HGRS, José Admirço Lima, a unidade é referência no Nordeste em casos de prematuridade. “Esses são pacientes com os quais é preciso ter o máximo de cuidado possível, envolvendo uma equipe de profissionais inteiramente dedicada a eles. É preciso lembrar que a prematuridade não é uma escolha. Ela pode ocorrer por uma doença materna ou uma má formação do feto. Como cada dia é uma vitória para esses bebês, estampamos na nossa campanha os recém-nascidos vestidos de super-heróis”, afirmou.

José Admirço lembrou ainda que o prematuro não tem todo o organismo desenvolvido. “Ele nasce numa idade gestacional inferior a 36 semanas, e esse nascimento acaba tendo impacto sobre o sistema imunológico. Esses bebês precisam de amor e os pais têm que estar presentes, mas é preciso seguir as normas do hospital. É preciso ter atenção com a alimentação, com o sono e com o contato com essas crianças”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Segundo a coordenadora de enfermagem do complexo de Neonatologia do HGRS, Naomi da Costa, as ações também estão sendo feitas dentro da unidade, com os profissionais. “Cada dia a gente fala de um tema, como o cuidado que é preciso ter com os prematuros e sobre o desenvolvimento dos sistemas neurológico e imunológico”.

Nas incubadoras, os bebês cumprem uma etapa que deveria ter sido concluída no útero das mães. Entre eles, Valentina, que nasceu com pouco mais de 500 gramas e já passou dos 600 gramas, teve o nascimento prematuro em razão de problemas renais e hipertensão da mãe. “Eu venho todos os dias. Estou aqui a todo o momento que posso. Esse contato é muito importante. Estou pedindo a Deus para ela já estar em casa em dezembro. Está todo mundo ansioso para receber Valentina em casa”, disse a mãe, Ingrid. As informações são de assessoria.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas