CidadesCuriosidadesEducaçãoMenu PrincipalTop
Trending

#Chapada: Enfermeira de Seabra já foi ameaçada por ‘sommelier de vacina’; “Dá uma dor essa ignorância”

Secretaria de Saúde da Bahia pontua que não há um levantamento sobre a quantidade de pessoas que querem escolher o imunizante.

A enfermeira Rebeca Melo, 34 anos, vacinadora de um posto de Seabra, na Chapada Diamantina, lida constantemente com a pressão no momento de vacinação. Contudo, Rebeca também chega a ser ameaçada pelos conhecidos como “sommeliers de vacina”, que são as pessoas que querem escolher qual imunizante vão receber.

“Dá uma dor essa ignorância, e só vem em mente as vidas que não tiveram a oportunidade de se vacinar”, lamenta a enfermeira ao contar que se depara com dezenas desses sommeliers todos os dias.

No último final de semana, por exemplo, houve um mutirão de vacinação em Seabra e 60 pessoas se negaram a ser vacinadas, pois não queriam receber o imunizante disponível. “Por mais que expliquemos que todas as vacinas são seguras e autorizadas pela Anvisa, as pessoas ainda se negam a tomar”, explica Melo.

A Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) pontua que não há um levantamento sobre a quantidade de pessoas que querem escolher a vacina, visto que a operacionalização do plano vacinal é dos municípios. Atualmente, três imunizantes estão disponíveis para a população.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou todos os imunizantes que estão sendo utilizados na Bahia. São eles: Coronavac, Aztrazeneca/Oxford e Pfizer/BioNtech. Todos também foram aprovados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para uso emergencial na pandemia e são capazes de reduzir em até mais de 90% os casos graves da covid-19.

Segundo pesquisa feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), no qual foram ouvidas duas mil pessoas de todos os estados do país, 43% das pessoas disseram que gostariam de escolher entre as marcas de vacina disponíveis. Mas só 9% afirmaram que deixariam de se vacinar se o imunizante que preferiam não estivesse disponível.

De acordo com o infectologista e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Carlos Brites, “as atitudes dessas pessoas podem influenciar negativamente a pandemia por várias razões”, explica ao exemplificar algumas.

Brites pontua que caso o contingente desse grupo seja expressivo, a oportunidade de vacinação para um maior número de pessoas pode ser postergada e pode ocorrer um “efeito manada” ao expor maior número de pessoas ao risco e podendo obter as formas mais graves da covid-19.

Coronavac
Muitas dos sommeliers têm alegado que não toma o imunizante da Coronavac por desejar viajar para a Europa, local onde o imunizante ainda não é reconhecido. Contudo, Brites alerta: “Muito mais importante é a prevenção das formas graves e mortes”, frisa.

Além disso, com a aprovação da Coronavac pela OMS em junho, cresce a pressão para que a entrada de brasileiros no continente seja facilitada. Jornal da Chapada com informações de texto base do Correio 24h.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios