CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal

Ex-diretor da Petrobras diz que tucano cobrou R$ 10 milhões de propina

petrobras
Deputado Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB, morto aos 66 anos | FOTO: Alan Marques |

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa disse ao Ministério Público Federal que foi de R$ 10 milhões o valor de propina cobrado pelo ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra para que o tucano ajudasse a esvaziar Comissão Parlamentar de Inquérito criada pelo Senado para investigar a Petrobras em 2009. Em seu depoimento, Costa afirmou que o suborno foi pago pela construtora Queiroz Galvão em 2010. Os relatos do ex-diretor da Petrobras sobre montante e a pagadora da propina foram informados pelo jornal “O Estado de S. Paulo” na edição desta sexta-feira (17). De acordo com a publicação, Costa também afirmou que, ao tratar do suborno, Guerra estava acompanhado do deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) e apontou que o congressista seria um “operador”.

O ex-diretor da estatal ainda relatou que o político tucano sugeriu que ele conversasse com Armando Ramos Tripodi, o então chefe de gabinete do presidente da Petrobras à época, José Sergio Gabrielli, segundo o jornal. A Queiroz Galvão integra um consórcio contratado para obras da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que é investigada na Operação Lava Jato da Polícia Federal. Guerra morreu em março, aos 66 anos, vítima de câncer no pulmão e foi substituído no comando do partido pelo candidato tucano a presidente da República, Aécio Neves. Em seu depoimento ao Ministério Público, Costa disse que empresas fornecedoras da Petrobras queriam encerrar a CPI em 2009, pois entendiam que os trabalhos da comissão poderiam atrapalhar seus negócios.

Embora a oposição fosse minoritária na CPI, as empreiteiras temiam prejuízos com a repercussão do caso na imprensa, segundo ele. A CPI criada em 2009 para investigar a Petrobras teve vida breve: foi instalada em julho e acabou em novembro. Guerra e o senador paranaense Álvaro Dias, também do PSDB, abandonaram a comissão em outubro alegando que o rolo compressor do governo impedia qualquer investigação séria. Nota do PSDB aponta que a legenda defende a investigação de todas as acusações feitas pelo ex-diretor da Petrobras. O filho do ex-presidente do PSDB, Francisco Guerra, não se manifestou sobre a acusação, mas disse preservar o legado do pai “com muita honra”.

Em nota, a construtora Queiroz Galvão afirmou que “desconhece o teor do depoimento e nega as acusações”. Tripodi negou contatos com Guerra ou Fonte e irregularidades em sua atuação na estatal de petróleo. “Repudio com indignação e veemência quaisquer insinuações ou afirmações caluniosas que procurem vincular meu nome a práticas criminosas”, afirmou Tripodi. Segundo a assessoria de Eduardo da Fonte, o deputado do PP se coloca à disposição das autoridades para esclarecimentos, mas vai se pronunciar somente depois de ter acesso a dados oficiais do depoimento de Paulo Roberto Costa. Extraído da Folha de São Paulo.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas