AssessoriaCidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal

[Artigo]: Plano de ação para combate a incêndio na Chapada Diamantina; uma resposta ao vídeo do governo

foto5
Fogo segue consumindo vegetação na região da Chapada Diamantina | FOTO: Tayne Luz |

Por Rafael Fernandes*

Ótimo essa proximidade com quem de fato está no combate e prevenção há décadas na Chapada Diamantina. Como bem pontuado pelo governador Rui Costa, devemos ser mais rápidos e práticos nesse momento e isso reflete ao plano de ação que, na minha humilde visão, e com base nos relatos que estou acompanhando e ligações aos brigadistas, seguem as minhas sugestões para tirar o quanto antes do papel uma ação colaborativa e tenho certeza que os custos não serão R$ 7 milhões, onde empresas competentes administram recursos maiores, projetando até a compra de avião para os brigadistas.

Plano de Ação das Brigadas da Chapada
Existem cinco pilares que considero urgentes são: combate, prevenção, monitoramento, capacitação e logística. Para o combate, é preciso estruturar os mais de 600 guerreiros e suas 24 brigadas da região, como mencionado no vídeo divulgado pelo governador Rui Costa (veja aqui).

Os principais materiais são: Equipamento de Proteção Individual (EPI) anti-chamas, como gôndola, capacete, luvas, calça, bota e óculos; roçadeiras (para locais onde não há pedras); moto bombas (para colocar dentro de rios para combate direto dos incêndios); foices; enxadas, facão; abafadores (utilizados para combate em pontos críticos, sem água ou produto químico para ajudá-los); lanternas de cabeça e mão; rádios comunicadores HD, com repetidoras.

Além disso, é necessário também equipamentos de primeiros socorros, como maca para transporte de pessoas; drones (facilitam o monitoramento de locais com difícil acesso), satélites de monitoramento; alimentação; isotônico e água mineral.

Leia também
Rui se reúne com representantes de brigadistas e diz que momento é de crise; confira vídeo
Focos de incêndios seguem destruindo o Parque Nacional da Chapada Diamantina
Campanhas de universidades arrecadam doações para brigadistas que combatem o fogo na Chapada

Para o pilar prevenção, deve haver um investimento em campanhas, cartilhas, vídeos e imagens de conscientização e preservação do meio ambiente, ressaltando os principais impactos dos incêndios. Parcerias com as escolas locais para o estudante ser um porta-voz em sua casa e comunidade, e agir como um brigadista mirim em prol da natureza.

Também é preciso definir e ressaltar os principais postos de arrecadação nas cidades da região e na capital e o responsável, para agirmos com mais efetividade em casos extremos como o que estamos vivenciando atualmente. Assim como criar pontos de apoio para coleta de água nos principais pontos de incêndio que acontecem com frequência. O corpo de bombeiros da região deve estar estruturado para suprir mais a demanda na prevenção, combate, monitoramento e capacitação.

Leia também:
Frente fria pode fazer chover na Chapada Diamantina nos próximos dias
Está parecendo uma ‘Torre de Babel’, diz presidente da Cifa sobre combates aos incêndios na Chapada
ICMBio combate cinco focos de incêndios simultâneos no Parque Nacional da Chapada Diamantina

No terceiro pilar, monitoramento, sugiro a definição de parceria com os principais órgãos públicos competentes e as brigadas como BRAL, CIFA, Rosely Nunes, dentre outras; e dos principais pontos de observação com monitoramento diário e envio de relatório de incidentes a todos os envolvidos. Sugiro também a criação de um site ou sistema, atrelando todos os órgãos públicos competentes, as brigadas e os brigadistas voluntários, para facilitar a comunicação entre os mesmos e a sociedade. É preciso também estruturar os pontos de observação para os brigadistas que estarão no monitoramento.

Já em relação à capacitação dos brigadistas, voluntários, jovens voluntários nas escolas e outros interessados, os principais órgãos públicos competentes e as brigadas devem criar, em parceria, um modelo de capacitação e um cronograma, definindo o processo de evolução dos envolvidos.

No último pilar, de logística, sugiro que seja definida a quantidade necessária de veículos para o deslocamento da equipe de combate e de apoio, pois os veículos que hoje atuam não proporcionam nenhuma segurança para os brigadistas. Em parceria com os órgãos públicos competentes e as brigadas, é preciso alinhar o processo de contingente para casos extremos, como por exemplo, o número de aeronaves, de soldados, de carros, de brigadistas, definir a infraestrutura necessária, bem como os equipamentos e a alimentação.

O mundo muda quando eu mudo!

foto5

*Rafael Fernandes é empreendedor e especialista em Gestão em Negócios

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas