Fotos: Fogo na Chapada Diamantina deixa rastro de destruição; brigadistas seguem combatendo

Postado em nov 26 2015 - 11:33am por Jornal da Chapada
foto5

Incêndio atinge vegetação e prejudica nascentes de rios no local | FOTO: Divulgação/Dimitri Argolo |

Algumas das belas paisagens da Chapada Diamantina foram afetadas pelo fogo que atinge a região há mais de duas semanas. As imagens mostram a vegetação queimada próximo ao Rio Mucugezinho e de um dos cartões postais da região, o Morro do Pai Inácio. O trabalho de combate ao fogo é feito por brigadistas voluntários, bombeiros e aeronaves. De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), os focos de incêndio ainda estão nas localidades de Morro Branco, Barro Branco e Serra do Sobradinho. Nas regiões de Folha Larga e do Vale do Capão, o fogo é considerado controlado e segue em monitoramento.

A previsão é de que ao menos 30 mil hectares tenham sido atingidos na região com o incêndio. A pasta ainda informa que a chuva atingiu várias cidades da Chapada na quarta-feira (25). Há registros de chuvas em Seabra, Lençóis, Palmeiras, Andaraí, Ibicoara, Mucugê, Barra da Estiva, Iraquara, Piatã e Abaíra.

Leia também:
Vídeo: Novo incêndio na região do Vale do Capão avança e já ameaça nascente do Riachinho
Massa de ar quente continua influenciando o clima na Chapada, mas chuvas não são descartadas
Fogo na Chapada: Focos de incêndio reaparecem em Mucugê e brigadistas voltam ao combate

Danos ambientais
O secretário de Meio Ambiente do Estado, Eugênio Spengler, avalia que os danos causados pelo incêndio sejam difíceis de ser revertidos. “As perdas são muito grandes. Talvez não se possa superar [danos]”, definiu. A destruição de orquídeas, a morte de animais e impacto sobre as nascentes são apontados como as principais consequências do incêndio. Localizada no Centro da Bahia, a Chapada Diamantina é apontada pela Superintendência de Fomento ao Turismo (Bahiatursa) como coração do estado. O Rio Paraguaçu, por exemplo, responsável por parte do abastecimento das regiões metropolitanas de Salvador e Feira de Santana, sofreu com os impactos do fogo.

Galeria de imagens do Portal Chapada

Este slideshow necessita de JavaScript.

“A Chapada é uma caixa d´água, podemos chamar assim. Aqui nascem muito rios. Um deles é o Rio Paraguaçu, que abastece grande parte da região metropolitana de Salvador e da região metropolitana de Feira de Santana. Cerca de três milhões e 500 mil pessoas são abastecidas por ele [nessas localidades]”, explica. Por conta dos incêndios, houve destruição de vegetação que fica na nascente do rio. “Vai demorar alguns anos para ser recuperada. Daqui a pouco vai chover, e isso [a falta de vegetação na nascente] compromete com erosão e assoreamento. A quantidade e a qualidade da água pode ser afetada”, estima.

Além do rio, o secretário de Meio Ambiente, Eugênio Spengler, afirma que os incêndios destroem exemplares da flora. Há grande preocupação com as orquídeas. Conforme a BahiaTursa, há 50 espécies da planta em toda a região. “Ainda não tem números, mas ainda temos mortes de cobras, de aves ainda com ninho, felinos, insetos. São muitas perdas”, resume. Matéria extraída na íntegra do Portal G1.

Leia também:
Fogo na Chapada: Apesar da chuva, novo foco de incêndio é registrado no Vale do Capão
Incêndios na Chapada Diamantina emitem mais de 250 mil toneladas de gases de efeito estufa
ICMBio aponta avanços nos combates aos incêndios no Parque Nacional da Chapada Diamantina
Chapada: Chuva cai no Vale do Capão e anima combatentes; dia foi de trabalho intenso

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

7 Comentários Sinta-se livre para participar desta conversa.

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.