Chapada: Repasse de verbas para construção de canal em Lajedinho não foi completado

Postado em abr 5 2017 - 11:19am por Jornal da Chapada
lagedinho

Com o atraso na liberação, muitas unidades da prefeitura ainda estão em desordem, informa o prefeito local | FOTO: Edmundo Carvalho |

Após quatro anos da inundação que causou a morte de 17 pessoas, ao menos o serviço público da cidade de Lajedinho, na Chapada Diamantina, ainda não conseguiu retornar a normalidade. A ampliação do canal do Rio Sucupira não foi realizada, nem a reconstrução de prédios públicos, que foram destruídos com a chuva de 2013. O atual prefeito, Marcos Mota (PSD), afirmou que o Governo Federal só repassou uma parcela, no valor de R$ 1,6 mi, do total prometido.

“O recurso foi autorizado em 19 de fevereiro de 2014. O valor de R$ 4,2 milhões foi destinado ao Estado da Bahia pelo Ministério da Integração Nacional. Naquele momento o município estava em estado de calamidade pública e não poderia executar. O prefeito à época, Antonio Mário, achou melhor que o estado administrasse o recurso. O estado executaria através da Conder e o município ficaria somente responsável em executar o restabelecimento dos serviços essenciais. O município tinha sua prefeitura destruída, não tinha porque cuidar de obras”, afirmou Mota.

Leia também
Chapada: Área atingida pelas águas da chuva em Lajedinho será desativada
Chapada: Cachoeirão e Ribeirão do Meio também encantam com volume de água após chuvas
Chapada: Lajedinho começa a se reorganizar após temporal do fim de semana

paulo

As duas enchentes aconteceram porque um canal de macrodrenagem, que corta a cidade, não suportou o volume de água da chuva e transbordou | FOTO: Reprodução/Defesa Civil |

Segundo o político, “em junho de 2016, o estado prestou conta da primeira parcela. Após isso, foi solicitada a liberação da segunda parcela, porém o Governo Federal não repassou para Conder para que as obras fossem retomadas. A partir daí as obras foram paralisadas por conta do atraso nos repasses”.

Com o atraso na liberação, muitas unidades da prefeitura ainda estão em desordem. De acordo com o prefeito os equipamentos públicos funcionam de forma improvisada. “Meu gabinete funciona no prédio da Secretaria de Educação. Outros órgãos funcionam conjugados com outras unidades ou em imóveis alugados. Dez equipamentos públicos da cidade entre eles um Cras, a Secretaria de Assistência Social, Conselho Tutelar, biblioteca, Mercado Municipal, o clube social e farmácia básica foram comprometidos em 2013”, afirmou Marcos.

Prioridades
Uma das necessidades urgentes da cidade, conforme o prefeito, é a reconstrução do Colégio Estadual Professora Delzair do Nascimento Galvão. “O estado pediu que um terreno fosse doado para reconstrução da escola. O município fez a doação do terreno em 2014 e até agora esperamos. Estive com o governador cobrando a construção da escola. O secretário Walter Pinheiro ligou para dizer que vai ser reconstruído”, apontou. Jornal da Chapada com informações de Bocão News.

Leia também
Chapada Diamantina segue com clima frio e chuvas fracas nos próximos dias
Chapada: Cachoeira da Fumaça impressiona com volume de água que ganhou da chuva; confira
Chapada: Cachoeira do Buracão encanta ainda mais com o volume de água após as chuvas

Chuva em Lajedinho 1 – Jailton Rodrigues

Chuva em Lajedinho 2 – Jailton Rodrigues

Chuva em Lajedinho 3 – Edmundo Carvalho

Veja fotos da chuva em Lajedinho

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

3 Comentários Sinta-se livre para participar desta conversa.

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.